Hefesto, deus desprovido de beleza física

Hefesto ou Hefaísto (para gregos), Vulcano (para romanos) é uma das doze principais divindades do Olimpo.
Hefesto é filho de Zeus e de sua esposa Hera; a deusa se encontrava grávida junto aos acontecimentos da morte de Métis e deu a luz ao filho pouco tempo depois do nascimento de Athena; desta forma, Hera o criou sozinho.
Com o passar do tempo, ela percebeu que o bebê não se tornava belo, ele era de estranha aparência e desprovido de beleza; Hera então, indignada de der dado a luz a tal "monstruosidade", se aproximou das extremidades do Olimpo e atirou seu bebê com brutal força para que morresse na queda ao chão.
Téthis e sua filha Eurínome (ambas titãs dos mares) perceberam a queda de algo vindo do Olimpo em grande velocidade e se aproximaram para poderem avistar o que poderia ser, ao se aproximarem, perceberam que era um bebê; ambas o acolheram e o levaram para viver com elas em uma gruta escondida abaixo do oceano. Algumas lendas contam que com a velocidade e a força de encontro entre o deus e a água, ele quebrou a perna e é descrito muitas vezes como deus manco.
Por nove anos, as titãs cuidaram do bebê, fazendo com que ele crescesse forte e com um alto nível de inteligência; como forma de agradecimento, Hefesto criou para suas salvadoras, centenas de jóias, desde pérolas até diamantes.
Ao completar nove anos, saiu de seu esconderijo e criou uma gigantesca forja abaixo de um vulcão, e nesta forja criou 12 tronos para presentear os deuses do Olimpo; Zeus os aceitou com muita gratidão e haviam 11 deuses para ocupá-los, quando Hera se sentou em seu trono, acionou um mecanismo que fez com que correntes invisíveis a aprisionassem no trono. Vários deuses tentaram libertá-la, nenhum conseguiu, nem mesmo Zeus. Dionísio então resolveu pedir ajuda para Hefesto, sendo que apenas ele poderia desfazer a armadilha.
Então, o deus desceu até a forja de Hefesto e suplicou que liberasse Hera de sua prisão; Hefesto se negou, ela deveria pagar pela audácia com o própiro filho, sem outra opção, Dionísio lhe deu várias jarras de vinho, sendo assim, Hefesto se embebedou e logo caiu em sono profundo. Quando acordou, estava no Olimpo pois Dionísio havia o levado, após a súplica de seu pai, Hefesto tentou descer o Olimpo, mesmo que Zeus ajoelhasse, ele não a livraria do tormento. Apollo então teve a previsão do futuro e consequentemente, do desejo de Hefesto:
"Aquele o qual foi rejeitado pela mãe ao nascer, removido a força do lar sem nem mesmo o consentimento do pai forjou 12 tronos divinos, cada trono será ocupado por uma divindade específica. 11 destes tronos já foram ocupados, mas o deus que os forjou espera que o 12° seja entregue a ele como forma de se redimirem."
Zeus então permitiu que Hefesto vivesse no Olimpo (até o momento, estava impedido) e que se tornasse umas das 12 principais divindades, em troca, ele libertou sua mãe; mas para o ódio da mesma, ele alegou que reinaria como um dos 12 supremos, mas que reinaria da Terra, pois lá, não teria que ver a horrenda beleza de sua mãe, não a externa, mas a interna.
Atributos de Hefesto:
Hefesto é deus da forja, do fogo, das erupções vulcânicas, da metalurgia, protetor dos ferreiros e artesãos em geral.
Como era representado?
Hefesto era sempre representado como um homem de meia-idade, barbado, vestido com uma grande túnica e geralmente próximo a materiais de seu trabalho, a forja ou uma marreta. Apesar de ser conhecido pela sua ausência de beleza, suas estátuas não apresentavam tamanha feiúra, era representado como um simples homem, desprovido de beleza igual a de estátuas de Apollo ou Dionísio (por exemplo).
Hefesto e a relação entre os humanos:
Hefesto era adorado pelos humanos por lhes ceder objetos para uso em suas atividades cotidianas e por lhes ceder o fogo. Possuía contato direto na manufatura de objetos para heróis, criava desde as armas até as armaduras, nenhuma delas eram de poderes divinos, ou seja, eram destrutíveis, entretanto, eram muito mais fortes e resistentes das criadas pelas mãos humanas.
Hefesto e sua importância e relacionamento com os deuses:
Hefesto por ser criador das armas, possuía enorme rivalidade contra Ares, o qual guiava os homens a usar estas armas em batalhas para o derramamento de sangue humano e de nenhum objetivo.
Dionísio era seu melhor amigo divino, possuía contato com ele antes mesmo de ter sido aceito no Olimpo; por isso a confiança de tomar o vinho entregue pelo mesmo.
Zeus, como forma de desculpas por não ter interferido sua expulsão do Olimpo, lhe entregou a mão de Afrodite, a mais bela entre as deusas e que amava Hefesto por sua aparência; entretanto, não era fiél ao marido, o traindo inúmeras vezes com Ares. Hefesto descobriu sobre as traições, mas nenhum dos deuses acreditaram nele, por ambos serem inimigos. Ele criou uma rede invisível para capturar a esposa e o amante quando estivessem deitados em sua cama, Apollo o ajudou demonstrando aos demais deuses sobre os atos de Afrodite. No julgamento de Eros, Hefesto se negava totalmente com o fato de Afrodite continuar com o filho fruto de traição, entretanto, após o apelo desesperado de Ares, não pode negar e fazer com que o pequeno deus sofresse os atos da guerra.
Hefesto criou todos os palácios do Olimpo, os quais serviam de moradia para os deuses. Criou também um palácio para si mesmo, para que quando a Terra estivesse em guerra de comando de Ares, ele vivesse no Olimpo de forma que não presenciasse tais atos; em algumas de suas lendas, seu palácio era protegido por "representações humanas constituídas por metais e criados na forja do deus, desprovidos de sentimentos ou pensamentos", o que hoje, chamamos e conhecemos como robôs.
Criou as armas dos deuses, estas armas eram divinas, indestrutíveis e incapazes de serem manuseadas por humanos. Criou o escudo de Zeus, o qual foi utilizado nas guerras titânicas, assim como seus raios, criou o tridente de Poseidon, as flechas mortais de Apollo, entre vários outros itens.
Hefesto, desprovido de beleza, dotado em inteligência:
Em todas as lendas de Hefesto, é possível presenciar atos de extremo raciocínio e inteligência do deus. Criou uma armadilha para a mãe, e a consequência foi a de se tronar um dos 12 deuses mais influentes e após o convite de seu pai de viver no Olimpo, o recusou dizendo que na Terra não presenciaria a horrenda alma de Hera, a qual era orgulhosa de sua beleza.
Outro exemplo é o fato de demonstrar (junto com Apollo) de que estava sendo traído, expondo Afrodite à humilhação da traição e quando ela renunciou o amor por Ares, Hefesto se divorciou da deusa e se casou com as Graças (deusas da dança, da graça e do amor; seguidoras de Afrodite) de forma que a deusa se arrempedesse de ter perdido seu amor e ter sido trocada por deusas inferiores.
Hefesto nos dias atuais:
Hefesto raramente é lembrado por muitos pagãos, muitas vezes nem mesmo com consciência de sua existência, talvez até mesmo por ele não ter sido altamente reverenciado na antiguidade e por não possuir um culto específico; entretanto, é evocado em algumas práticas de rituais que envolvem a utilização de fogo ou metais vindos da forja, como o atame, punhais ou outros materiais.
Tenham uma ótima Quarta-Feira e que Hefesto lhes de a força do fogo e que os inspire com sua inteligência e poder!
Escrito por Felipe M.

1 Response to "Hefesto, deus desprovido de beleza física"

  1. Anônimo Says:
    23 de agosto de 2011 11:33

    Você conhece algum ritual para cultuar Hefesto???

Related Posts with Thumbnails